-->

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

EVANGELHO IV DOMINGO DO ADVENTO - ANO B - Lc 1, 26-38

CONTINUAÇÃO DOS COMENTÁRIOS AO EVANGELHO - IV DOMINGO DO ADVENTO
II - MARIA, CASA DE DEUS E FRUTO DA ALIANÇA
A casa erigida por Deus para a tranquilidade de Davi é uma Virgem, oriunda de sua linhagem, chamada Maria. Ela é a Casa de Deus por excelência, Aquela que traz a verdadeira estabilidade e a plenitude da paz. Ela é o prêmio da Aliança que o Senhor firmou com Davi, seu fruto mais extraordinário. Depois d’Ela virá Aquele cuja personalidade não é humana, e sim divina, Aquele que é ao mesmo tempo criatura e Criador, Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Maria Santíssima.
O fragmento de São Lucas que analisaremos a seguir é conhecidíssimo.4 Mas o Evangelho, cujas frases sucintas — ó maravilha! — sempre apresentam aspectos novos, assemelha-se a um caleidoscópio que, embora tenha poucas pedrinhas em seu interior, ao ser girado inúmeras vezes nunca forma uma figura idêntica às anteriores.
Um Deus Encarnado pedia um horizonte à altura
Naquele tempo, 26 O Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27 a uma Virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da Virgem era Maria.
Nazaré era uma cidadezinha minúscula, situada numa pequena depressão, em meio às suaves montanhas da Galileia. Suas casas, construídas não no fundo do vale, mas encarapitadas sobre os penhascos, nas encostas do Monte Neby-Sain, davam à paisagem um toque gracioso e encantador. Este monte, o mais alto de todos os que circundam a cidade, tem a peculiaridade de possuir uma vista maravilhosa. “E seguramente” — comenta Fillion — “um dos mais belos e emocionantes [panoramas] de que se possa gozar na Palestina. [...] Por todos os lados, vastas extensões, terrestres, aéreas e marítimas, disputam nossa atração; por todos os vales, montanhas, cidades ou aldeias, o mar e sua imensidão. [...] Que espetáculo! Quantas vezes Nosso Senhor, durante sua adolescência e juventude, não oraria sobre este altar sublime e dirigiria seus olhares para o mar”!5

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

EVANGELHO IV DOMINGO DO ADVENTO - ANO B - Lc 1, 26-38

COMENTÁRIOS AO EVANGELHO - IV DOMINGO DO ADVENTO
Naquele tempo, 26 O Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma Virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da Virgem era Maria.
280 Anjo entrou onde Ela estava e disse: ‘Alegra-Te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”
29 Maria ficou perturbada com essas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação.
30 0 Anjo, então, disse-Lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. ‘ Eis que conceberás e darás à luz um Filho, a quem porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus Lhe dará o trono de seu pai Davi. 33 Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu Reino não terá fim”.
34 Maria perguntou ao Anjo: “Como acontecerá Isso, se Eu não conheço homem algum?”
35 Anjo respondeu: “O Espírito virá sobre Ti, e o poder do Altíssimo Te cobrirá com sua sombra. Por isso, o Menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus.
36 Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37 porque para Deus nada é impossível”.
38 Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em Mim segundo a tua palavra!” E o Anjo retirou-se (Lc 1, 26-38).
O pórtico de entrada do Salvador: Maria e sua virgindade
Por seu extraordinário amor à virgindade, Maria Santíssima mereceu ser a Mãe de Deus, mostrando para os séculos futuros quanto esta virtude é fecunda e confere força e coragem, a ponto de plasmar heróis.
I - TODO MOVIMENTO TENDE AO REPOUSO
É inerente ao homem, concebido no pecado, padecer cansaço; o lado animal de nossa natureza facilmente se fatiga. Depois de nossos afazeres diários, sejam trabalhos ou estudos, chegada a noite temos uma necessidade vital de repousar, com maior razão se acordamos cedo. O próprio Nosso Senhor Jesus Cristo, isento do pecado original e de qualquer outra mancha, quis assumir certas deficiências da natureza humana1 e Se cansava, como no episódio em que O encontramos dormindo na barca (cf. Mt 8, 23-27) ou quando está sentado à beira do poço de Jacó (cf. Jo 4, 6).
A fadiga — esta realidade cotidiana — nos traz à lembrança a consideração de São Tomás de Aquino,2 feita com tanta precisão e sabedoria, de que todo movimento tende ao repouso.
Quantas vezes observamos os jovens se agitando com velocidade e energia, de um lado para o outro! Mas ao crescer e maturar eles adquirem o desejo do sossego e da tranquilidade. O espírito humano busca a paz, em meio à movimentação intensa  a que é submetido no decurso da vida. Assim, todos nós aspiramos à estabilidade e à quietude e, por isso, agrada-nos possuir uma propriedade e nela construir uma casa, na qual possamos morar sem nenhuma aflição.
Com frequência os homens têm também a preocupação de fazer perdurar sua memória, deixando neste mundo algo concreto que cruze os tempos e se mantenha através das gerações. Neste sentido, dentre os povos da Antiguidade destacam-se os egípcios: como a Providência deu a teologia e a Religião verdadeira aos judeus, a filosofia aos gregos e o direito aos romanos, àqueles o Senhor havia concedido a ciência. A maior prova dos conhecimentos excelentes que eles cultivavam e do empenho em prolongar seu renome no futuro são as pirâmides, as quais, podendo datar até de 2500 a.C., surpreendem ainda em nossos dias, continuando a ser um mistério seu método de edificação.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

III DOMINGO DO ADVENTO (DOMINGO GAUDETE) – ANO B – Jo I, 6-8. I 9-28

CONCLUSÃO DOS COMENTÁRIOS AO EVANGELHO III DOMINGO DO ADVENTO (DOMINGO GAUDETE) – ANO B – Jo I, 6-8. I 9-28
Declaração do Precursor e chamado à conversão
23 João declarou: “Eu sou a voz que grita no deserto: ‘Aplainai o caminho do Senhor’” — conforme disse o profeta Isaías.
Se as primeiras palavras do Precursor os deixaram desorientados, estas, sem dúvida, intensificaram a perturbação. Eles já temiam pelo fato de a figura de João Batista ter-se projetado em Israel, provocando grande comoção na opinião pública. As multidões iam ouvir a pregação de São João e receber o batismo, e depois se emendavam. Era a graça do Espírito Santo movendo as almas. Ademais, os fariseus conheciam a Escritura e sabiam o significado do oráculo de Isaías (cf. Is 40, 3) — “eu sou a voz que grita no deserto” —, o qual indicava com clareza que antes do aparecimento do Messias alguém se levantaria no deserto para pregar. Ao referi-lo, São João como que dizia, sem que ninguém ousasse contradizê-lo: “Eu sou aquele previsto por Isaías!”. E este Precursor também lhes falava em conversão: “Aplanai o caminho do Senhor”, ou seja, “mudai de mentalida de para recebê-Lo”.
Para os maus, era apenas o começo da aflição...
24 Ora, os que tinham sido enviados pertenciam aos fariseus 25 perguntaram: “Por que então andas batizando, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?” 26 João respondeu: “Eu batizo com água: mas no meio de vós está Aquele que vós não conheceis, 27e que vem depois de mim. Eu não mereço desamarrar a correia de suas sandIias”. 28 Isso aconteceu em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando.
Sempre preocupados com os rituais exteriores, os fariseus indagaram a respeito do batismo de João, cientes de que um banho purificador fora predito por vários profetas (cf. Is 1, 16; Ez 36, 25; Zc 13, 1). Que o Messias, Elias ou o Profeta “instituíssem ritos novos, nada tinha de particular; como enviados de Deus, podiam agir conforme suas ordens”.8 Mas se São João não o era, por que batizava? E, novamente, a resposta do Precursor causou perplexidade nos membros da comitiva, pois não a esperavam! E o Espírito Santo que fala pelos lábios e pela voz de São João Batista, para fazer bem aos fariseus. Eles pensavam que São João daria uma explicação justificando, com princípios, o batismo por ele administrado. Porém, para surpresa de todos, ele como que menospreza o próprio batismo, dizendo: Que mal há em batizar com água?
Então, São João Batista se declara Precursor de alguém maior e anuncia que o Messias está entre eles, porque já O tinha batizado, O curioso é que poderiam ter perguntado quem era esse outro, mas não o fazem. Os fariseus têm medo, porque se Ele lhes fosse mostrado, deveriam mudar de vida. Com um Precursor tão exigente, como seria Aquele de quem não merecia sequer desamarrar a correia das sandálias?
O resultado foi uma grande insegurança. Esse “no meio de vós” os incomodava enormemente, porque significava que entre eles se encontrava alguém que era maior do que o que vinha convulsionando o país. Israel era percorrido e penetrado por um espírito novo, que deixava a todos na expectativa. As pessoas se convertiam, choravam seus pecados, batiam no peito e... se esqueciam dos fariseus, dos saduceus e dos escribas. Numa palavra, esse homem atrapalhava, porque pregava uma conversão. Entretanto, acima dele está Aquele outro que é um Senhor incomum, de quem São João Batista dizia que não tinha altura para ser escravo. Estava “no meio deles”, e eles não O conheciam... E ficaram perturbados, enquanto crescia seu ponto de interrogação, por perceberem que o imenso transtorno causado em sua cômoda situação pelo Precursor não passava de um mero tremor, perto do terremoto que ele vinha anunciando...
III - NÃO NOS DEIXEMOS ENGANAR PELA APARENTE ALEGRIA DO PECADO!
De modo bem diferente à incondicional alegria que a vinda do Redentor deveria trazer, eis a correlação entre júbilo e tristeza, euforia e provação, evocada pelo Evangelho deste 39 Domingo do Advento. Enquanto os bons são assistidos pela alegria da esperança, como aconteceu a São João Batista e aos que se converteram ante a perspectiva do aparecimento do Messias, há na alma dos maus tristeza e insatisfação. Cabe ao bom saber interpretar a frustração de quem vive no pecado e não pensar que ele está sendo bem-sucedido. Quando, na segunda leitura (I Tes 5, 16-24), São Paulo exorta “Estai sempre alegres!” (I Tes 5, 16), deseja mostrar que quem se une a Deus, pratica a virtude e trilha o bom caminho, não pode de forma alguma deixar-se tomar pela má tristeza.
O Domingo da Alegria nos revela uma divisão claríssima que caracteriza a humanidade: os bons estão sempre alegres e os maus, por mais que procurem aparentar alegria, vivem na tristeza. Aqueles que estão ligados a Deus têm o contentamento, a segurança e a felicidade de que carece quem se apega às coisas materiais e Lhe dá as costas. Ambos vivem juntos, mas no momento em que o homem que pôs sua esperança no mundo e no pecado vê a alegria verdadeira manifestada pelo bom, ou se converte ou quer matá-lo, tal como fizeram a Nosso Senhor Jesus Cristo.
Peçamos, nesta Liturgia, a graça de viver na alegria da virtude, como sinal de nossa inteira adesão ao Salvador que em breve chegará!
1) TERCEIRO DOMINGO DO ADVENTO. Oração do Dia. In: MISSAL ROMANO. Trad. Portuguesa da 2a. edição típica para o Brasil realizada e publicada pela CNBB com acréscimos aprovados pela Sé Apostólica. 9.ed. São Paulo: Paulus, 2004, p.l3l.
2) Cf. SAO TOMAS DE AQUINO. Suma Teológica. I-II, q.7O, a.3.
3) SÃO TOMÁS DE AQUINO. Super loannem. CI, lect.4.
4) Cf. TUYA, OP, Manuel de. Biblia Comentada. Evangelios. Madrid: BAC, 1964, vV, p.972-973.
5) RICCIOTII, Giuseppe. Vita di Gesù Cristo. 14.ed. Città dei Vaticano: T Poliglotta Vaticana, 1941, p.307-308.
6) SÃO TOMÁS DE AQUINO. Super Ioannem. CI, lect.12.
7) SÃO JOÃO CRISÓSTOMO. Homilía XVI, n.2. In: Homilías sobre el Evangelio de San Juan (1-29). 2.ed. Madrid: Ciudad Nueva, 2001, v.1, p.205.

8) TUYA, op. cit., p.977.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

III DOMINGO DO ADVENTO (DOMINGO GAUDETE) – ANO B – Jo I, 6-8. I 9-28

CONTINUAÇÃO DOS COMENTÁRIOS AO EVANGELHO III DOMINGO DO ADVENTO (DOMINGO GAUDETE) – ANO B – Jo I, 6-8. I 9-28

Insegurança entre as autoridades de Israel
19 Este foi o testemunho de João, quando os judeus enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar: “Quem és tu?”
São João redigiu seu Evangelho com o objetivo, entre outros, de contrapô-lo às calúnias e desvios dos chefes da sinagoga, inimigos da incipiente Religião Cristã. Por esta razão, nele estabelece uma clara distinção entre Nosso Senhor e seus discípulos, de um lado, e os membros da classe dirigente de Israel, de outro lado. A estes — e em particular os fariseus, neste versículo — designa com o termo “judeus”.4
Jerusalém estava abalada. O burburinho popular em torno da pessoa de São João fez com que o Sinédrio — composto pelas elites israelitas, sempre muito empenhadas em manter o controle sobre o establishment e não se descolar das suas respectivas bases na opinião pública da época — ficasse preocupado. Pairava uma interrogação tremenda sobre aquele que estava pregando na outra margem do Jordão, num local onde controlá-lo ouprendê-lo para ser examinado no Templo não era tão fácil como seria na própria Cidade Santa.
Segundo o conceito deles, parecia evidente que se São João batizava, o fazia porque era o Messias, ou Elias ou o Profeta. A crença dos judeus em geral era que o Messias esperado abriria perspectivas grandiosas e traria a supremacia do povo
judeu sobre todos os outros. Era possível que Ele viesse batizando, mas seria um batismo de glória e salvação meramente humanas. Elias, por sua vez, constituía uma figura ímpar entre todos os profetas e, enquanto tal, também tinha o direito de batizar. O mesmo se diga do Profeta acima mencionado. Qual dos três era João? Assaltava-os um grande receio pelo fato de personagem tão misterioso não ter passado pela escola deles. Então, a inteligência desses homens punha-se a campo para descobrir sua origem, seus objetivos, e o porquê daqueles gestos, daquela atitude e simbologia.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

III DOMINGO DO ADVENTO (DOMINGO GAUDETE) – ANO B – Jo 1, 6-8. 19-28

COMENTÁRIOS AO EVANGELHO DO III DOMINGO DO ADVENTO (DOMINGO GAUDETE) – ANO B – Jo 1, 6-8. 19-28
6 Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à Fé por meio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz.
19 Este foi o testemunho de João, quando os judeus enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar: “Quem és tu?” 20 João confessou e não negou. Confessou: “Eu não sou o Messias”. 21 Eles perguntaram: “Quem és, então? És tu Elias?” João respondeu: “Não sou”. Eles perguntaram: “Es o Profeta?” Ele respondeu: “Não”. 22 Perguntaram então: “Quem és, afinal? Temos que levar uma resposta para aqueles que nos enviaram. O que dizes de ti mesmo?” 23 João declarou: “Eu sou a voz que grita no deserto: ‘Aplainai o caminho do Senhor” — conforme disse o profeta Isaías. 24 Ora, os que tinham sido enviados pertenciam aos fariseus 25 e perguntaram: “Por que então andas batizando, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?” 26 João respondeu: “Eu batizo com água; mas no meio de vós está Aquele que vós não conheceis, 27 que vem depois de mim. Eu não mereço desamarrar a correia de suas sandálias”. 28 Isso aconteceu em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando (Jo I, 6-8. I 9-28).
O SALVADOR: DOS BONS ALEGRIA E DESCONCERTO DOS RUINS
Caixa de texto:
A alegria suscitada pelo iminente nascimento do Redentor é para todos, sem distinção, ou só para aqueles que abrem o coração ao seu amor transformante?

I - ALEGRIA ANTE A IMINENTE VINDA DO SALVADOR
A Igreja, sendo uma instituição divina fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo, que é a Cabeça deste Corpo Místico, possui a própria sabedoria d’Ele e tudo faz com conta, peso e medida. Assim, ela dispõe dois domingos do ano que, em meio à penitência, trazem a alegria: o 39 Domingo do Advento, chamado Domingo Gaudete, e o 49 Domingo da Quaresma, denominado Domingo Lætare.
O primeiro recebe este nome da palavra inicial da Antífona da entrada, extraída da Epístola de São Paulo, Apóstolo, aos Filipenses: “Gaudete in Domino semper: iterum dico, gaudete. Dominus enim prope est — Alegrai-vos sempre no Senhor. De novo eu vos digo: alegrai-vos! O Senhor está perto” (4, 4-5).
A perspectiva do término diminui o sofrimento
A experiência de todos aqueles que convivem com pessoas atingidas por qualquer sofrimento, físico ou moral, comprova que este se torna muito mais difícil de suportar pelo fato de elas não saberem quando será o seu término. Ao se receber a garantia de que a dor cessará em determinado momento, grande parte do tormento desaparece. Da mesma forma, sabe-se por estudos científicos que a alegria é causa do prolongamento de nossa existência e, pelo contrário, quando nos deixamos abater pela tristeza a vida se encurta.
Algo análogo se verifica na Liturgia deste Domingo Gaudete — a mais significativa de todo o Advento —, cujo principal objetivo é dar a cada um a vigorosa esperança de que, por fim, nosso Redentor está prestes a nascer e ajudar-nos a compreender com maior profundidade o Vinde, Senhor Jesus! repetido ao longo destas quatro semanas. Hoje transpomos o marco da ascensão penitencial e somos cumulados de alegria na perspectiva da vinda do Esperado de todas as Nações, que quase comemoramos antecipadamente. Em vista disso, a Igreja celebra este domingo com júbilo, flores, instrumentos musicais e paramentos róseos, implorando na Oração do Dia: “dai chegarmos às alegrias da salvação e celebrá-las sempre com intenso júbilo na solene Liturgia”.’

sábado, 6 de dezembro de 2014

III DOMINGO DO ADVENTO (DOMINGO GAUDETE) – ANO B – Jo I, 6-8. I 9-28

COMENTÁRIOS AO EVANGELHO III DOMINGO DO ADVENTO (DOMINGO GAUDETE) – ANO B – Jo I, 6-8. I 9-28
6 Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à Fé por meio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz.
19 Este foi o testemunho de João, quando os judeus enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar: “Quem és tu?” 20 João confessou e não negou. Confessou: “Eu não sou o Messias”. 21 Eles perguntaram: “Quem és, então? És tu Elias?” João respondeu: “Não sou”. Eles perguntaram: “Es o Profeta?” Ele respondeu: “Não”. 22 Perguntaram então: “Quem és, afinal? Temos que levar uma resposta para aqueles que nos enviaram. O que dizes de ti mesmo?” 23 João declarou: “Eu sou a voz que grita no deserto: ‘Aplainai o caminho do Senhor” — conforme disse o profeta Isaías. 24 Ora, os que tinham sido enviados pertenciam aos fariseus 25 e perguntaram: “Por que então andas batizando, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?” 26 João respondeu: “Eu batizo com água; mas no meio de vós está Aquele que vós não conheceis, 27 que vem depois de mim. Eu não mereço desamarrar a correia de suas sandálias”. 28 Isso aconteceu em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando (Jo I, 6-8. I 9-28).
O SALVADOR: DOS BONS ALEGRIA E DESCONCERTO DOS RUINS
A alegria suscitada pelo iminente nascimento do Redentor é para todos, sem distinção, ou só para aqueles que abrem o coração ao seu amor transformante?
I - ALEGRIA ANTE A IMINENTE VINDA DO SALVADOR
A Igreja, sendo uma instituição divina fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo, que é a Cabeça deste Corpo Místico, possui a própria sabedoria d’Ele e tudo faz com conta, peso e medida. Assim, ela dispõe dois domingos do ano que, em meio à penitência, trazem a alegria: o 39 Domingo do Advento, chamado Domingo Gaudete, e o 49 Domingo da Qua resma, denominado Domingo Lætare.
O primeiro recebe este nome da palavra inicial da Antífona da entrada, extraída da Epístola de São Paulo, Apóstolo, aos Filipenses: “Gaudete in Domino semper: iterum dico, gaudete. Dominus enim prope est — Alegrai-vos sempre no Senhor. De novo eu vos digo: alegrai-vos! O Senhor está perto” (4, 4-5).
A perspectiva do término diminui o sofrimento
A experiência de todos aqueles que convivem com pessoas atingidas por qualquer sofrimento, físico ou moral, comprova que este se torna muito mais difícil de suportar pelo fato de elas não saberem quando será o seu término. Ao se receber agarantia de que a dor cessará em determinado momento, grande parte do tormento desaparece. Da mesma forma, sabe-se por estudos científicos que a alegria é causa do prolongamento de nossa existência e, pelo contrário, quando nos deixamos abater pela tristeza a vida se encurta.
Algo análogo se verifica na Liturgia deste Domingo Gaudete — a mais significativa de todo o Advento —, cujo principal objetivo é dar a cada um a vigorosa esperança de que, por fim, nosso Redentor está prestes a nascer e ajudar-nos a compreender com maior profundidade o Vinde, Senhor Jesus!, repetido ao longo destas quatro semanas. Hoje transpomos o marco da ascensão penitencial e somos cumulados de alegria na perspectiva da vinda do Esperado de todas as Nações, que quase comemoramos antecipadamente. Em vista disso, a Igreja celebra este domingo com júbilo, flores, instrumentos musicais e paramentos róseos, implorando na Oração do Dia: “dai chegarmos às alegrias da salvação e celebrá-las sempre com intenso júbilo na solene Liturgia”.’
A voz que clama no deserto, contemplada no Evangelho de São João, pede que aplainemos “o caminho do Senhor”, mudemos de mentalidade e nos enchamos do seu espírito. Mas a Igreja quer que o façamos em meio à alegria, pois saímos de uma situação ruim, melhoramos e o progresso só pode ser motivo de regozijo. São Tomás2 explica que a alegria é fruto do amor e, portanto, quem ama tem alegria. A caridade, por sua vez, leva a pessoa a ter um grande desejo de possuir aquilo que a enleva, e nós estamos na expectativa da vinda de alguém que é o Ser por excelência, o próprio Deus Encarnado, O nosso Redentor.
Resta saber se há alguma condição para se obter esta alegria, inseparável da vinda d’Ele, ou se ela se destina a todos, sem quaisquer exigências. A resposta nos é dada pelo Evangelho.
II - O CONTRASTE ENTRE A ALEGRIA DOS BONS E O DESCONCERTO DOS MAUS
São João escreveu seu Evangelho na última década do século I, tempo já marcado pela presença de gnósticos, ebionitas e judaizantes na Igreja nascente, que tentaram deformar a focalização verdadeira a respeito do Antigo Testamento e até mesmo a Revelação trazida por Nosso Senhor Jesus Cristo, sobretudo pela negação de sua personalidade divina. Embora procurassem mostrar-se cristãos, na realidade, queriam perverter os outros com suas ideias e fazer proselitismo do mal.
O Evangelista começa com muita lógica seu relato, por um prólogo no qual afirma de maneira categórica — como alguém que conviveu com o Filho de Deus Encarnado — que Nosso Senhor é inteiramente Homem e inteiramente Deus, e apresenta uma testemunha que confirma esta doutrina, com um argumento de autoridade.
O súbito surgimento de um proteta eliâtico
6 Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João.
Esta testemunha é São João Batista. Em todo Israel daquele tempo não havia homem com maior prestígio do que ele. Dotado de uma personalidade de peso, contra a qual ninguém era capaz de se levantar, era tido em grande conta, a ponto de não poder ser posto em dúvida. Assim, sua autoridade ratifica as ousadíssimas afirmações cristológicas feitas pelo Discípulo Amado, na abertura deste Evangelho. E, por isso, o Precursor já é citado ainda antes da conclusão do prólogo, no versículo 18.
“Surgiu” é um termo semelhante ao empregado pela Escritura na descrição do inopinado aparecimento de Elias (cf. Edo 48, 1), dando ideia de que não se sabia quem era João, nem de onde vinha. O profeta surge de repente, suscitado por Deus, e o faz de forma sui generis. Veste-se de pele de camelo e se alimenta de gafanhotos e mel silvestre.
A súbita entrada em cena de São João Batista e a sua pregação fizeram dele uma figura convulsionante na sociedade judaica, que abalou o país de alto a baixo, mobilizou a população, produziu verdadeiro tremor nas consciências e suscitou perplexidade e interrogação no fundo das almas, a propósito de sua identidade. Inspirado pelo Espírito Santo, ele não foi exercer sua missão em Jerusalém, mas escolheu as margens do rio Jordão, onde a ascendência dos mestres da Lei, dos fariseus e das demais autoridades judaicas era menos efetiva, além de ser local de passagem das caravanas. E, permanecendo ali por longo tempo, seus ensinamentos foram se espalhando por toda a nação eleita.
Muitos teciam comentários a seu respeito, e logo circularam diferentes hipóteses sobre a figura do Precursor. Uns diziam que era o Messias, impressionados pelas qualidades destehomem de Deus; outros, baseando-se nas profecias que mencionavam a volta de Elias, viam nele o grande profeta que tinha retornado de seu misterioso retiro; por fim, havia quem acreditasse ser o Profeta que haveria de vir (cf. Dt 18, 15).
Deus ama e institui as mediações
7 Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz. para que todos chegassem à Fé por meio dele.  não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz.
Nestes dois versículos, o Evangelista sublinha que São João Batista não era a luz, e sim testemunha de um outro. Podemos imaginar o Precursor como um homem que vivia emocionado, à espera de quem ele anunciava.

Aqui vemos quanto a Providência ama o princípio de mediação e envia intercessores para orientar o povo no rumo das graças que Ela quer derramar. Ensina o Doutor Angélico: “Alguns homens são ordenados por Deus, de modo especial; e não apenas dão testemunho de Deus naturalmente, pelo fato de existirem, mas também espiritualmente, por suas boas obras. Daí decorre que todos os santos varões são testemunhas de Deus, pois por suas boas obras Deus Se faz glorioso entre os homens [...]. No entanto, aqueles que não só participam dos próprios dons de Deus em si mesmos, agindo bem pela graça de Deus, mas os difundem a outros, falando, mobilizando e exortando, são mais especialmente testemunhas de Deus. [...] João, então, veio ‘para dar testemunho’, para difundir junto a outros os dons de Deus e anunciar seu louvor”.3 Tais homens servem de instrumento e, em certo sentido, de pretexto para a comunicação dessas graças, pois a Providência as concede em função do que eles dizem, fazem ou apontam. Para uns, de forma suficiente, para outros, superabundante; para uns, de forma cooperante, para outros, eficaz, mas a todos dá a graça através do mediador que Ela constitui, a fim de que as pessoas se convertam.
Continua no próximo post

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Comentário ao Evangelho – II Domingo do Advento - Mc 1, 1-8

1 Início do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus. 2 Está escrito no Livro do profeta Isaías: ‘Eis que envio meu mensageiro à tua frente, para preparar o teu caminho. 3 Esta é a voz daquele que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai suas estradas!’.
4 Foi assim que João Batista apareceu no deserto, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados. 5 Toda a região da Judeia e todos os moradores de Jerusalém iam ao seu encontro. Confessavam seus pecados e João os batizava no rio Jordão. 6 João andava vestido de pelo de camelo e comia gafanhotos e mel do campo. 7 E pregava, dizendo: ‘Depois de mim virá alguém mais forte do que eu. Eu nem sou digno de me abaixar para desamarrar suas sandálias. 8 Eu vos batizei com água, mas ele vos batizará com o Espírito Santo’” (Mc 1, 1-8).
Fazei penitência!
A vestimenta e os hábitos de São João Batista destoavam muito dos costumes daquela sociedade. O contraste dos homens impuros e gananciosos, com aquela figura reta, simples, eloquente, e que bradava: ‘Fazei penitência!’, deixava as consciências profundamente abaladas.
Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP

I – O mal no universo criado
À medida que progride, vai a ciência desvendando maravilhas insuspeitadas na vastidão sideral. Constantemente se descobrem novos corpos celestes, muitos deles de fulgurante beleza, dispostos em espaços astronômicos fora de qualquer padrão humano, locomovendo-se com velocidades assombrosas numa delicada e sublime harmonia, reflexo da perfeição do Criador.
Se essa constatação nos causa explicável admiração, consideremos que Deus, em sua onipotência, poderia ter criado infinitos universos, com infinitas outras criaturas, e esses infinitos seres estariam em sua presença por toda a eternidade. Dentro de cada um desses mundos, bem saberia Ele como a História se desenvolve a cada instante. Pois, como sublinha São Pedro na Segunda Leitura deste domingo do Advento, “para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos como um dia” (II Pd 3, 8).
É próprio da Providência Divina ordenar os males para o bem
Ora, como conceber que Deus, sendo onipotente e a Bondade em substância, tenha criado este nosso universo onde o pecado pôde se fazer presente já na revolta de Lúcifer, antes da queda de nossos primeiros pais? Por qual razão lhes permitiu Ele a possibilidade de cair? Não teria sido melhor criar uma humanidade incapaz de se deixar arrastar por delírios como a construção da Torre de Babel?
Perguntas como estas afligiram homens de todas as eras, e tornam-se pungentes, sobretudo, em nossos dias tão marcados pelo hedonismo e pela aversão a qualquer sofrimento. Ante elas, cabe lembrar a doutrina de São Tomás de Aquino, segundo a qual “não é incompatível com a bondade divina permitir que haja males nas coisas governadas por Deus”.1